terça-feira, 2 de janeiro de 2018

O Gigante Egoísta


A peça "O Gigante Egoísta" inspirada na obra do mesmo nome de Oscar Wilde, permitiu-nos reproduzir um conto de fadas, trazendo-o para os dias de hoje. 
 Foram particularmente interessantes as cenas passadas no jardim do Gigante em que as crianças brincavam. Para o palco vieram algumas das brincadeiras que algumas crianças desconhecem ou pelo menos não praticam diariamente. A macaca, os jogos de palmas. O comer de uma maçã no intervalo de um jogo de bola. Uma conversa divertida. 
Nesta peça foram trabalhados aspetos relacionados com a indumentária de figuras como a chuva, o granizo, a neblina, o vento e o inverno. O seu comportamento e a sua essência foram desenvolvidas na expressão corporal de cada um.  Houve momentos verdadeiramente mágicos ao longo da representação. A Primavera materializou-se numa fada gentil e melodiosa.  O Outono teve uma presença forte na figura feminina que se impôs ao Gigante recusando dar-lhe uma peça de fruta, como castigo das suas atitudes prepotentes. O Gigante foi inspirador no seu porte e expressão ao longo da peça.  O desfecho mágico da história teve o seu momento de ternura inesquecível. Todos os alunos estiveram á altura das suas personagens e julgo que nunca mais esqueceram esta participação numa história fantástica que os aproximou de forma muito peculiar. 









domingo, 17 de dezembro de 2017

Natal!

Natal, tempo de vida, paz e amor.
 E de reflexão, também.
  * Bom Natal para todos!


terça-feira, 3 de outubro de 2017

O Cavaleiro da Dinamarca



  O Conto extraordinário "O Cavaleiro da Dinamarca",  escrito por Sophia de Mello Breyner foi trabalhado pelo clube de teatro no ano de 2006/2007 e foi representado de forma exemplar e pouco habitual, refiro-me ao uso de várias salas de aula que serviram de espaço de representação das várias cenas da história. Os alunos tiveram oportunidade de escolher o espaço para acompanharem o desenrolar da representação. Outros grupos acompanharam toda a sequência de cenas desde o início da história: a ceia de Natal em casa do cavaleiro, na Dinamarca  e a sua viagem em peregrinação até à Terra Santa, passando depois por Veneza, Florença, Génova e Antuérpia e o regresso à Dinamarca.   
Foi um trabalho de verdadeira relação pedagógica entre os vários elementos da escola: alunos, professores e assistentes operacionais. 
Seis professores aceitaram o desafio que lhes lancei e participaram na representação em conjunto com os alunos do clube. 


 O Texto de uma riqueza enorme, permitiu que se trabalhassem inúmeros conteúdos, contidos nos programas de todas as disciplinas. Um grande número de turmas trabalharam esses conteúdos e deram o seu contributo na apresentação da peça. A escola esteve em festa um dia escutando as palavras de Sophia e acompanhando o desabrochar de pequenos grandes atores que estiveram à altura da excelência do texto.  As fotos do evento foram tiradas na sua maioria por alunos do clube Multimédia, que espantaram quem as viu,  julgando tratar-se de trabalho de profissionais. Os professores e as assistentes operacionais envergaram trajes da época e integraram o elenco de alunos/atores de forma natural e envolvente.     







sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Tecto e a poesia


A FLORESTA E EU

 A poesia esteve sempre presente em todos os anos de vida do clube de teatro. Ela foi um elemento muito importante na formação de todos os alunos que frequentaram o clube. Existiram alunos que se destacaram pela sua sensibilidade e souberam dizê-la de forma comovente, forte e brilhante. 
 A peça "A FLORESTA E EU" teve a poesia como elemento de excelência, para falarmos da Floresta. Vários autores maiores da nossa poesia, fizeram-se ouvir nas vozes desses alunos.
 Conhecemos e vibrámos com poemas de  Sophia de Mello Breyner, Matilde Rosa Araújo, Eugénio de Andrade, Agostinho da Silva e Jorge Sousa Braga. 

COREOGRAFIAS em que a UNIÃO e o sentido da TERRA  como UM  BEM A PRESERVAR, foram um elo de união de todo o espetáculo.  



"A Floresta e eu"  foi o 3º espetáculo apresentado pelo clube Tecto,
no ano de 2005/06.  






terça-feira, 12 de setembro de 2017

Recordar

Olá 

A partir de hoje  o trabalho do Clube de Teatro Tecto irá aparecer aqui regularmente e umas quantas coisas mais.  Surpresa!

Peça apresentada na Escola E.B de Marvila no ano de 2005/06 
Texto dos alunos do clube e um conto tradicional 

    ******ESPAÇOS ***********************
  
 * O Corpo e o Espaço 
 *  Escola/ Espaço Habitado

 * Escola/ Espaço de Aprendizagem 


 * Espaço de Amor e Solidariedade




sexta-feira, 16 de junho de 2017

mensagem da peça PIRILIPAMPOS


Nós humanos somos na maioria dos casos muito distraídos, desleixados e pouco amigos de reconhecer os nossos erros, assim como prescindir das nossas comodidades... muita inutilidade que não serve para nada,  a não ser para encher os bolsos a alguém, vai-se fabricando um rol de coisas, objetos, materiais que nos causam uma espécie de dependência. Submissamente e alegremente ignoramos o problema que se tem vindo a  agravar, como sendo algo que não nos diz respeito. 
 Saber que temos um espaço a preservar, que nos permite respirar e viver é por fim entendido e a necessidade de regressar à infância e aos gestos e brincadeiras  simples, como o simples facto de nos deslumbrarmos com uma pequena luz, que brilha no escuro, de um pequeno ser que nos lembra a vida que é essencial amar e acarinhar. 
A Terra será implacável para quem não a respeita, pois ela é poderosa e não necessita do homem para sobreviver, ela defende-se,  avança por cima de quem for preciso para se manter plena de vida, mesmo que ferida e diferente. Já nós teremos a  nossa condição de vida ameaçada  ou mesmo destruída. 


Vejam, oiçam e pensem!